Atlético 85 BAC 73: Fazer das fraquezas uma grande força para garantir o 3.º lugar

A nossa jovem equipa garantiu a conquista do terceiro lugar e a presença no “pódio virtual” da zona Sul do Campeonato da 1.ª Divisão, também conhecido como Liga 3, num jogo perante o sempre difícil BAC (Basket Almada Clube).

O rival de Almada veio à Tapadinha ainda com aspirações a tirar-nos o terceiro lugar, caso vencesse e os nossos jovens registassem outra escorregadela na próxima jornada. Os homens da margem Sul vinham com uma cartilha muito bem preparada, onde se incluíam alguns truques psicológicos como a exigência de jogar a segunda parte de frente para o marcador electrónico, algo que sendo permitido, foi a primeira vez em mais de 30 anos que vimos uma equipa visitante fazer essa exigência.

Essa tentativa de jogo psicológico por parte do adversário não preocupou nada o nosso treinador Jorge Faustino, cuja maior preocupação era a escassez de jogadores, pois a onda de lesões que tem vindo a afectar o plantel fez com que dos 8 jogadores escalados apenas 6 estavam verdadeiramente aptos a alinhar.

Mas como vem sendo timbre deste extraordinário grupo de jovens (não esquecer que a média de idades é de 22 anos), desde o primeiro segundo de jogo que os “6 magnifícos” souberam  fazer das fraquezas a sua maior força e nunca deram grandes hipóteses ao adversário, tendo brindado os homens de Almada com um parcial de 8-0  no primeiro período.
Com tão poucos jogadores disponíveis seria compreensível que o nosso treinador tivesse preparado um jogo mais pausado, tivesse privilegiado a gestão do esforço mas não foi nada disso o que se viu, com a rapaziada sempre a 100 à hora a massacrar o rival com pressão e contra-ataque constantes.

O primeiro período terminou com 7 pontos de vantagem para o tricolor da Tapadinha, assinalando o marcador 24-17. Na segunda metade da primeira parte o adversário tentou equilibrar o jogo mas nem sequer conseguiu impedir os nossos bravos rapazes de ainda dilatarem um ponto à diferença alcançada inicialmente, indo para o intervalo com 42-34 a nosso favor.

Os homens do BAC vieram do intervalo dispostos a dar a volta ao resultado, mas o esforço de nada valeu perante a concentração, o arreganho e a vontade de vencer dos nossos valorosos jovens que voltaram a ganhar o parcial por 20-17, fixando-se o resultado em 62-51 à entrada para o último quarto.

No último período a equipa adversária tudo tentou para virar o resultado, conseguiu até reduzir a diferença para uns curtos 5 pontos a cerca de 6 minutos do final mas aí foi a altura do nosso experiente treinador parar o jogar, pôr calma nos nossos rapazes, fazer os ajustes tácticos necessários a segurar uma vitória que teve tanto de sofrida como de saborosa perante as limitações do número de jogadores utilizáveis.

Na “hora da verdade” os nossos rapazes não tremeram, tendo no último ataque o nosso capitão António Castel-Branco brindado o seu defensor directo – e um dos melhores atletas do BAC – com um triplo na sua “cabeça” .

O resultado final de 85-73 espelha a diferença que se registou no jogo e premeia a capacidade de luta, sofrimento e a valia técnica e táctica dos nossos “6 magnifícos” e da dupla Jorge Faustino-Ramiro Dantas.

Neste jogo o destaque vai inteirinho para os 6 chamados ao jogo, todos eles decisivos para o resultado final, não podendo deixar de destacar o desempenho  do capitão António Castel-Branco com 30 pontos anotados e 11 ressaltos ganhos, muito bem secundado pelo Jermaine Mellis com 13 pontos e 15 ressaltos, ambos imperiais na luta das tabelas.  A comandar o jogo o destemido João Teixeira esteve imparável com 20 pontos anotados, tal como o Henrique Martins com 15 pontos, tendo anotado dois triplos em momentos importantes do jogo.

O Ricardo Moreno foi um esteio defensivo, como sempre, jogando com uma energia e uma generosidade incríveis, tal como o nosso “reforço de Inverno” Carlos Marques, um jovem que fez um jogo notável, não apenas pela sua entrega mas pela performance defensiva e ofensiva, que só não atingiu outros números porque a dupla de arbitragem só tinha olhos para o seu número 11 na hora de assinalar faltas.

A arbitragem teve alguns erros que não influíram no resultado mas deveria prestar mais atenção a algumas situações de jogo, como os bloqueios em movimento ou bloqueios ilegais, situação da qual os jogadores do BAC Raimundo (15) e Celestino (9) tiraram partido ao longo do jogo todo.

Quanto à ficha do jogo: pelo Atlético alinharam e marcaram –  7 – Álvaro Cardoso (nj);  9 – Henrique Martins (15pts); 10 – João Teixeira (20pts); 11- Carlos Marques (5pts); 13- António Castel-Branco (cap) (30pts); 14- Ricardo Moreno (2pts); 15 – Jorge Pires (nj); 23 – Jermaine Mellis (13pts).