Vitória a 200 à hora da juventude alcantarense sobre a veterania da Margem Sul. Num jogo emotivo do princípio ao fim, jogado sempre a alta velocidade, com picardias, barulho ensurdecedor do público e confusões quanto baste, a “miudagem” do Atlético jogou como gente muito grande e derrotou o seu adversário mais directo na luta pelo terceiro lugar da tabela.

Ainda com o sabor amargo da derrota averbada em Almada na primeira volta (54-70) bem presente, a jovem equipa alcantarense entrou no jogo decidida a levar de vencida o forte e experiente conjunto almadense, não se deixando intimidar pelo ambiente criado dentro de campo e vindo do banco e da bancada onde estava o público afecto aos visitantes.

O equilíbrio foi a nota dominante na primeira parte com o Atlético a ganhar uma curta vantagem de 2 pontos no primeiro período (21-19) e o BAC a responder com um parcial de 26-24 no segundo, levando as equipas empatadas a 45 ponto para o intervalo.

Se do lado do Atlético a velocidade e a irreverência foram as notas dominantes, do lado dos visitantes o jogo foi sempre muito físico, com o jogador Celestino (nr. 9) a provocar constantemente os seus defensores, ameaçando, usando de uma dureza no limite da agressão e a tirar partido dessa maneira de jogar.

No reatamento os jovens “guerreiros” da Tapadinha entraram ainda mais motivados a derrubar a muralha adversária, imprimiram um ritmo ainda mais veloz ao jogo, sendo sem surpresa que terminaram o terceiro período a vencer por uma margem de 7 pontos, 69-62, margem que não sendo confortável teve o condão de enervar ainda mais o adversário, já a acusar o desgaste do ritmo de jogo e da idade de alguns dos seus atletas.

No último período do jogo os “Speedies” de Alcântara continuaram a massacrar o adversário com um ritmo de jogo alucinante, levando o experiente veterano Artur Cruz a perder a cabeça e a dirigir a sua frustração para a jovem dupla de arbitragem, tendo sido expulso na sequência de protestos mais exuberantes. Poucos instantes depois foi o treinador da equipa de Almada que se viu excluído do jogo devido ao acumular de faltas técnicas resultante da forma agressiva como tinha andado a interpelar os dois árbitros desde o início do jogo. Essa instabilidade da equipa visitante alastrou às bancadas, tendo dois elementos dirigido a sua raiva para o presidente do Conselho de Arbitragem da FPB, presente na mesma bancada.

Os jovens alcantarenses não se deixaram afectar com o sururu montado pelos adversários e conseguiram aguentar a vantagem até final, alcançando uma vitória tão importante como saborosa perante um adversário que tinha como objectivo a subida à Proliga e se reforçou no período de transferências de Dezembro com mais um jogador experiente, André Clérigo (passagens por Benfica, Galitos, Belenenses, Seixal).

Se durante uns anos o Atlético teve uma equipa sénior composta por jogadores veteranos de grande qualidade e um estilo de jogo parecido com o do adversário de ontem, a fazer lembrar os “Bad Boys” de Detroit, a actual equipa assenta o seu jogo na velocidade e na irreverência típicas da juventude de todos os seus elementos e revelando uma capacidade de luta e de sofrimento impressionantes.

Desta vez o principal destaque individual foi para o base João Teixeira que anotou 23 pontos, tendo tido um papel determinante com as suas penetrações e assistências. No plano ofensivo o João foi muito bem secundado pelos inevitáveis gémeos Castel-Branco, com 19 (António) e 16 (João) pontos cada um e com o Ricardo Moreno e o Henrique Martins a completar o lote dos que anotaram 10 ou mais pontos.

No plano defensivo, apesar dos 86 pontos sofridos, destaca-se a capacidade de luta e de sofrimento de todos os restantes jogadores utilizados.

A arbitragem teve uma tarefa muitíssimo complicada devido à atitude do treinador e de alguns jogadores adversários, acusou alguma instabilidade aqui e ali mas nunca se desuniu nem se deixou intimidar pela agressividade dos homens de Almada, não tendo tido influência no desfecho final. Se do lado dos da Margem Sul existem razões de queixa, elas são de si próprios.

Quanto à ficha do jogo: pelo Atlético alinharam e marcaram –  4 – João Castel-Branco (16pts); 6- Voijn Crnjanski; 7 – Álvaro Cardoso (4pts);  9 – Henrique Martins (10pts); 10 – João Teixeira (23pts); 11- Eduardo Pires; 13 – António Castel-Branco (19pts); 14 – Ricardo Moreno (10pts); 15 – Jorge Pires (4pts); 23 – Jermaine Mellis (4pts).