A nossa jovem equipa vendeu muito cara a derrota por 82-89 frente à Academia do Lumiar, equipa favorita à subida e à vitória na Zona Sul.

À irreverência e raça da nossa rapaziada faltou só um “danoninho” e uma arbitragem isenta e sem medo para levar de vencida a fortíssima equipa afro-lusitana da Academia do Lumiar.

Perante um adversário muito experiente (3 jogadores já passaram pela Liga) e com um superior poderio físico os nossos jovens claudicaram em 4 ou 5 pormenores durante um jogo também marcado por uma arbitragem que se deixou intimidar pela pressão dos experientes jogadores adversários.

Não somos adeptos de vitórias morais mas hoje saímos da Tapadinha com a satisfação de ter visto a nossa equipa crescer, de mostrar que é capaz de se bater com qualquer adversário, sem receio de espécie nenhuma, e que não tendo sido formada na casa joga com  a raça que sempre foi imagem de marca das equipas do Atlético.

Como já referimos os nossos jovens bateram-se de igual para igual do princípio ao fim do jogo, souberam sofrer mesmo tendo sido condicionados pelo critério desigual da dupla de arbitragem, em especial do árbitro vindo do Algarve que começou por assinalar duas faltas seguidas ao nosso base João Teixeira para depois passar o resto do jogo a fazer vista grossa às faltas dos bases adversários e aos inúmeros bloqueios ilegais dos possantes afro-lusitanos.

A primeira parte foi marcada pelo equilíbrio no marcador, com o primeiro período a terminar empatado a 20 e a Academia a ter um ligeiro ascendente no segundo período que lhe permitiu chegar ao intervalo a vencer por 9 pontos de diferença (37-46).

No reinício os nossos rapazes entraram determinados, tendo chegado a estar a 2 pontos de distância do adversário, tendo acabado o período a perder por 6 pontos (60-66).

À entrada para o último quarto estava, pois, tudo ainda em aberto, tendo o nosso adversário começado por tirar partido de dois ou três erros dos nossos meninos para dilatarem a vantagem para 10 pontos. A rapaziada não se desuniu nesse período, tendo rapidamente conseguido reduzir a diferença para 2 pontos.

Mesmo tendo perdido o jogo e tendo cometido meia-dúzia de falhas (o tal “danoninho”), voltou a dar  gosto ver jogar estes jovens!

A marcação foi repartida por 9 dos 11 jogadores utilizados, tendo 5 superado os 10 pontos. Os marcadores de serviço foram o António Castel-Branco com 22 pontos, seguido de perto pelo João Teixeira com 16,  o Jorge Pires e o Jermaine Mellis com 14 pontos cada um e o João Castel-Branco com 12 pontos.

A nota negativa vai para a lesão do António Castel-Branco no final do jogo, com uma possível entorse, lesão resultante de um contacto bastante duro e absolutamente escusado por parte de um adversário.

O próximo jogo é só no dia 11/11, às 21.00 horas, no pavilhão municipal do Feijó, e, Almada, perante outro dos candidatos assumidos à subida de divisão, o BAC (Basket Almada Clube), apelando-se à presença de sócios e adeptos para apoiar a nossa equipa.

Pelo Atlético alinharam e marcaram: 4 – João Castel-Branco (12pts); 5- Marco Alves (cap.) ;  6 – João Silveira (1pt); 7 – Álvaro Cardoso;  8 – Henrique Nickel (2pts); 9 – Henrique Martins; 10 – João Teixeira (16pts);  12 – Nuno Filipe; 13 – António Castel-Branco (22pts); 14 – Ricardo Moreno (1pt); 15 – Jorge Pires (14pts); 23 – Jermaine Mellis (14pts).