Tem apenas 22 anos, mas é o treinador com mais tempo de casa. São cinco anos nas camadas jovens da Tapadinha. Ricardo Jesus é o Treinador Adjunto da equipa de juniores do Atlético, e dá-se a conhecer um pouco aos adeptos.

O que fazes da vida além do futebol?
Para além de estar a dois anos na equipa de juniores, estou no último ano de mestrado em treino de alto rendimento na Faculdade Motricidade Humana, e também sou o responsável pela sala de musculação do ginásio do clube.

Como vieste parar ao Atlético?
Foi no meu primeiro ano de faculdade, onde um amigo me falou que o Atlético precisava de um adjunto para a equipa de Iniciados B, a qual era na altura treinada pelo Emanuel Mesquita, que, curiosamente, reencontrei agora nos Juniores. Decidi investir no futebol porque acho que é um desporto com grande potencial. Apostei, e hoje em dia olho para trás sem arrependimentos.

O que significa para ti o Atlético?
É um clube pelo qual tenho bastante carinho. Já cá estou há cinco anos, e foi o clube que me acolheu no mundo do futebol. Onde aprendi muito sobre desporto em geral e sobre o futebol em particular.

Um momento marcante no Atlético?
Claramente a subida de divisão dos Juvenis A ao Campeonato Nacional, em 2013/14. E nessa época tive outro momento marcante, quando fomos ao Seixal ganhar ao Benfica por 2-0. Além destes dois momentos, as pessoas que aqui conheci e que me marcaram profundamente, como o Vice-Presidente Fernando Piedade, o Edgar, o Hugo Mendes, o Costa, o Marco Pires, pessoas com quem aprendi muito, e continuo a aprender.

Planos para o futuro?
Certamente seguir carreira no mundo do futebol. É esse o meu desejo e ambição.