Três anos depois da primeira final, o Atlético voltava ao Jamor.

Infelizmente para o nosso clube, o Atlético voltava a não conseguir levar de vencida o seu adversário, desta feita o Benfica, orientado pelo britânico Ted Smith, e que em campo era comandado por Guilherme Espírito Santo e Rogério “Pipi”.

Segundo as crónicas da altura, o jogo foi equilibrado, tendo os golos de ambas as equipas chegado já no último quarto de hora. Corona, ainda na primeira parte, teve boa ocasião parra marcar, mas acabou por atirar por cima da trave. A resposta do Atlético veio dos pés de Ben David, sem sombra de dúvida o melhor ponta-de-lança que vestiu a nossa camisola (119 jogos e 91 golos na 1ª Divisão pelo Atlético), mas que acabou por não dar em golo.

A 12 minutos do final, Corona desfez o empate. Pouco depois, Rogério “Pipi” faria o segundo golo dos “encarnados” e, apesar do tento de honra da autoria de Martinho, num forte remate de fora da área, o Atlético veria a Taça de Portugal ser entregue ao seu adversário.


Final da Taça de Portugal, 1948/49.
Jogo no Estádio Nacional, em Oeiras.
BENFICA 2-1 ATLÉTICO
Ao intervalo: 0-0
Marcadores: Corona (78′) e Rogério “Pipi” (80′); Martinho (90′)

Benfica: Contreiras, Joaquim Fernandes, Félix Antunes, Jacinto, Francisco Moreira, Rogério “Pipi”, Corona, Francisco Ferreira, Espírito Santo, Arsénio Duarte e Melão.
Treinador: Ted Smith

Atlético: Francisco Correia, Abreu, José Lopes, Baptista, Morais, Gregório dos Santos, Armindo Silva, Caninhas, Martinho, Armando Carneiro e Ben David.
Treinador: Pedro Areso

Árbitro: Paulo de Oliveira (Santarém)
Acção Disciplinar: nada a assinalar.