Falar da história do Atlético sem falar dos clubes que lhe deram origem, o Carcavelinhos e o União Lisboa, é omitir parte importante da sua história. Porém, antes dos nossos clubes fundadores, outros houve que lhes deram origem, de forma mais ou menos directa.

O futebol, em Lisboa, rapidamente cresceu em popularidade. E se foi o Ginásio Clube Português o clube percursor da actividade física na capital, seria também o primeiro clube português a apresentar-se em público, por volta de 1891, com um pequeno grupo que treinava aos domingos no Campo Pequeno. Pouco tempo volvido e iriam bater-se com o Carcavelos Club, formado por empregados do Cabo Submarino, e com o grupo do Colégio Vilar.

Cinco anos passados e já o futebol tem entusiastas. Aparecem os «teams» da Casa Pia de Lisboa e do Lisbonense, que em conjunto com o Ginásio Clube Português, realizam treinos e pequenos desafios.

O gosto pelo futebol começa a espalhar-se pela mocidade. Nas escolas e nos liceus, o novo jogo, como então se chamava ao futebol, é já praticado com entusiasmo, e rapidamente recruta praticantes e adeptos por toda a parte.

Vamos para Alcântara, onde, sem surpresa, constata-se que o entusiasmo em volta do futebol era, também, uma realidade no nosso bairro.

António José Pires, fundador do União Lisboa.

Antes de haverem clubes, os rapazes do bairro, findas as aulas, juntavam-se com os mais novos sempre que se deparavam com um passeio amplo e (mais ou menos) plano, para, junto com a lendária bola de trapos, improvisar animadas partidas de futebol. Às vezes, a bola acertava num candeeiro público, ou na janela de algum vizinho, e quando o polícia acorria, atraído pela algazarra da malta da bola, os jogadores dispersavam rapidamente.

Nas fábricas e oficinas, tão comuns no nosso bairro, após o almoço, antes do toque que anunciava a hora de voltar ao trabalho, também já se ensaiavam algumas “jogatanas”, por vezes com uma bola de borracha, adquirida entre todos os praticantes.

Não há dúvidas é de que iam-se formando grupos, com o objectivo de formar boas equipas. As contendas entre a rua de cima e a rua de baixo tornaram-se habituais. O interesse crescia a olhos vistos.

Destes agrupamentos saíram, de facto, os primeiros praticantes da modalidade, à sombra dos quais se formaram os alicerces dos primeiros clube do nosso bairro.

O primeiro a formar-se, no princípio do século passado, já com título, chamava-se Alcantarense Futebol Clube. Poucos anos se manteve, com os seus atletas a dispersarem por outros clubes.

Rufino José de Araújo, fundador do Carcavelinhos.

Com a maior parte dos seus elementos logo se formou o Grupo de Futebol Imperial, em 1908, a que se seguiu, em 3 de Março de 1910, o União Foot-Ball Lisboa, com sede em Santo Amaro. E, em 14 de Fevereiro de 1912, o Carcavelinhos Football Club, que sempre teve sede em Alcântara, embora em vários locais.

Mais clubes existiram, como o Ocidental Sport Clube na Rua de Alcântara, o Sportivo União da Rua do Olival, ou o Sport Aliança da Rua da Costa. Estes dois últimos subsistiram durante pouco tempo, embora os restantes também já tenham desaparecido há vários anos.

Em Santo Amaro, além do União, existiram também o Junqueira Futebol Clube e o Nacional, que sobreviveram alguns anos e ainda disputaram vários jogos no antigo campo da Junqueira.

De todos os clubes mencionados, apenas subsistiram, em Santo Amaro, o União, e, em Alcântara, o Carcavelinhos, fundados, respectivamente, por António José Pires e Rufino José de Araújo, criando fundas raízes e forte personalidade, até que, após trabalhosas negociações, se fundiram em 18 de Setembro de 1942, numa Assembleia Geral realizada na Promotora, formando o Atlético Clube de Portugal.