Comunicação ao Conselho Superior do Atlético Clube de Portugal

Ilustres Associados

Solicitou o Ex.mo Presidente da Direcção do Atlético Clube de Portugal a convocação do Conselho Superior do Clube, ao abrigo do disposto nos art. 89.º e 90.º dos Estatutos.

Encontramo-nos, assim, na presença de uma iniciativa extremamente oportuna e justificada, atento o momento difícil que o Atlético atravessa, bem expresso no facto de terem sido convocadas eleições gerais antecipadas para o próximo dia 14.

Quando, em 22 de Maio do ano pretérito, o movimento “Juntos pelo Atlético – Rumo ao Futuro” logrou vencer o acto eleitoral então ocorrido, naturalmente que os membros eleitos estavam imbuídos das maiores esperanças para abraçar os desafios que se colocavam ao nosso Clube, tendo, desde logo, ficado assente que, em momento algum, existia o propósito de ajustar contas com o passado.

Como sempre acontece na vida dos homens e das instituições, existem momentos bons e menos bons, verificando-se, sobretudo, nestes últimos, o grau de coesão e solidariedade entre toda uma equipa que abraça determinado projecto.

Decorrido cerca de 12 meses sobre o acto eleitoral já referido, há que assumir que, nos últimos tempos, foi encapelado o mar que envolveu a nau alcantarense, sendo indesmentível o cometimento de alguns erros por parte dos órgãos sociais. Porém, como, oportunamente, se demonstrará, houve igualmente aspectos muito positivos no dia a dia da vida do Atlético, realidade que, para alguns, não assumiu qualquer importância, tendo, em consequência, sido despoletado procedimento estatutário com vista à destituição dos órgãos sociais.

Foi por se entender que o poder supremo do Clube reside na vontade dos sócios do Atlético Clube de Portugal e que a importância da instituição merece recato e dignidade de procedimentos, que os órgãos sociais decidiram apresentar, em bloco, a sua demissão, de modo a permitir, a quem assim o entender, que se perfile como candidato e, responsavelmente, apresente juntos dos associados o programa de acção com vista a permitir à Instituição alcantarense um futuro de concreto desenvolvimento e crescimento.

Da parte dos órgãos sociais demissionários não existe qualquer tipo de apego ao poder, mas apenas o propósito de, perante os associados, demonstrar o que, com muitas dificuldades, foi levado a cabo, afastando, ao mesmo tempo, qualquer tipo de insinuação ou acusação quanto à honorabilidade de qualquer dos seus membros.

Chegou o momento para, mais uma vez, dar voz aos associados para se pronunciarem sobre candidaturas que, decerto, não deixarão de acontecer.

O respeito pela vida do Clube justificou a vossa presença. Obrigado, pois.

Viva o Atlético Clube de Portugal

 

O Presidente da Mesa da Assembleia Geral

(António Sérgio da Silva Abrantes Mendes)