Comunicado da Direcção – O Atlético Clube de Portugal ao lado da integridade das competições

Face ao teor da notícia publicada no Expresso Online de ontem, dia 19 de Novembro, o Atlético Clube de Portugal esclarece o seguinte:

1- O Atlético Clube de Portugal nunca foi arguido, acusado ou investigado por nenhum crime relacionado com apostas desportivas – nem, segundo sabemos, a extinta SAD aí referida;

2- A Sociedade Anónima Desportiva que foi constituída pelo Atlético Clube de Portugal, em má hora, sublinhe-se, foi declarada insolvente e já se encontra judicialmente extinta, por iniciativa dos actuais dirigentes do Atlético Clube de Portugal, que tomaram posse em Maio de 2017, quando os Administradores da SAD e o seu principal acionista já se encontrava em parte incerta;

3- Nenhum dos actuais dirigentes fez parte da Direcção que propôs aos sócios a constituição da SAD, nem fez parte dos órgãos de gestão efectiva da mesma;

4- Neste preciso momento, não há qualquer relação entre a SAD, extinta por insolvente, e o Clube, pelo que o caminho que trilhamos é livre e não se encontra ligado a qualquer suspeita outra entidade;

5- Esclarecemos, também e para que não restem quaisquer dúvidas, que a suspensão de competição por 2 anos se aplica apenas à insolvente SAD e que a mesma foi decretada por factos não relacionados com qualquer prática anti-desportiva.

 

Aproveitamos, ainda, para esclarecer o seguinte:

O Atlético Clube de Portugal teve origem na fusão, em 1942, do Carcavelinhos com o União Lisboa e tem, no seu palmarés, o título de Campeão e de Vice-Campeão de Portugal em futebol, entre outras milhares de provas internacionais, nacionais e regionais conquistadas em todos os escalões e nas diversas modalidades. É o quarto clube mais vencedor de Lisboa e um dos que mais adeptos tem no país, estando representado, pelas suas filiais, nos 4 cantos do mundo. É, enfim, um clube de matriz popular, pobre como a cidade em que nasceu, mas rico pelo espírito universal e de bondade sem limites dos seus Fundadores.

A constituição da SAD, nos termos em que foi perpetrada e desenvolvida, foi um erro, corrigido em tempo, sem que o clube acabasse, graças à intervenção da sua abnegada massa associativa. Mas o caminho ainda é estreito: a frágil sustentabilidade do nosso Clube depende do cumprimento das obrigações a que estamos adstritos e é na credibilidade que passamos para o exterior que assenta o nosso projecto. Daí a necessidade deste esclarecimento.

Não pode, assim, sobrar a mínima dúvida que o Atlético Clube de Portugal é hoje um clube diferente daquele que era quando aqui chegámos: pagámos dividas a terceiros e ao Estado, encerrámos o dossier SAD sem responsabilidades para o Clube, liquidámos passivo em cerca de um milhão de euros, encerrámos o Bingo, cumprindo com todos os direitos dos trabalhadores, reestruturámos departamentos e consolidámos a marca “Atlético” no panorama desportivo nacional. Seremos, em breve, pioneiros num modelo de Compliance Desportiva que impedirá que no futuro possamos ter um qualquer dirigente e, ou, investidor em conflito de interesses com o Clube, inserindo, do mesmo passo, na gestão quotidiana uma garantia de controlo efectivo de gastos, gestão de dividas e transferências financeiras.

Conseguimos, por outro lado, inverter a tendência de descida e temos hoje equipas competitivas em futebol sénior masculino e em basquetebol sénior masculino, assumindo a liderança desportiva nas respectivas séries; apostámos no futebol sénior feminino, disputando a segunda divisão nacional, e pretendemos profissionalizar todo o futebol de formação através da criação da “Academia Atlético”, com terrenos a adquirir após a alienação definitiva do Edifício do Bingo; queremos, ainda, dotar a Escola de Basquetebol de meios suficientes para termos na Tapadinha os campeões de futuro; encontramo-nos, por fim, a reunir com diversas Federações no sentido de aferir a possibilidade de devolver outras modalidades ao presente do Clube.

Falta fazer muito mais do que alcançámos, mas o pontapé de saída está dado: em breve anunciaremos o projecto Atlético 20/30, que será um fórum que decorrerá durante o próximo ano, que envolverá as forças vivas do Clube e  que permitirá, até ao inicio de 2020, perceber que Atlético queremos para as próximas duas décadas.

O Atlético Clube de Portugal não se revê, assim, nos actos que o artigo do Expresso Online imputa à SAD, nem tem conhecimento de nenhum facto que denuncie a prática de actividades ilícitas nas suas instalações. Está, no entanto e como sempre, ao dispor de todos os que entenderem investigar as suspeitas que são imputadas à Sociedade que deteve a maioria do capital da extinta SAD, colocando todos os meios ao dispor das entidades responsáveis pela investigação criminal e desportiva do país.

Por último, chamamos a atenção para a inoperância do poder político e federativo no controlo e fiscalização das Sociedades Anónimas Desportivas constituídas por todo o país, nos mais diversos clubes.

Urge actuar e o Atlético Clube de Portugal já manifestou, das mais diversas formas, interesse em participar, encabeçando, se necessário for, o movimento em defesa da transparência material das competições, através do controlo dos fluxos financeiros de entrada em capitais próprios das SAD´s, protocolos de gestão de SDUQ´s, transferências suspeitas de atletas e treinadores, e, ou, participações encapotadas de sociedades em diversos clubes, quer seja para adulterar competições, quer seja para branquear capitais.

Estamos vivos e respeitamos a nossa matriz: somos o Clube do Povo, sério, honesto e com visão de futuro!

 

Viva o Atlético Clube de Portugal!