À Direcção do Atlético Clube de Portugal, cumpre elucidar sobre os seguintes temas:

Futebol juvenil

O Professor Barnabé já não é responsável pela Coordenação do Futebol Juvenil. Iniciou o trabalho na pré-época e na elaboração  do processo de reestruturação, mas por questões de método e resultados, levou-nos a tomar a decisão de ficar somente com o Coordenador Técnico Professor Paz Gomes. Desde esse momento ficou a assumir as rédeas do Futebol Juvenil. Os resultados não foram ao encontro do inicialmente pretendido, no entanto como processo evolutivo que é, já começámos a preparar a próxima época.

Futebol Sénior

Esta equipa foi constituída para que o clube seja representado de forma condigna, nas provas distritais e posteriormente nos nacionais, aproveitando desta forma os escalões de formação, lembramos que esta foi uma promessa feita por esta direcção durante o processo eleitoral. Presentemente, a equipa tem 5 jogadores ainda juniores a competir na equipa principal e dois sub-19. Em termos de resultados a época não começou da melhor forma, no entanto, hoje estamos perto do topo da tabela classificativa, lutando para subir de divisão, com equipas/clubes que já vinham formadas de anos anteriores.

Apresentação de Orçamento para 2017

A direcção do Atlético prevê agendar para a primeira quinzena de Abril (2) duas Assembleias Gerais Ordinárias a realizar no mesmo dia, com o intuito de Apresentar o Orçamento para 2017, e cumulativamente apresentar o Relatório e Contas. Esta assembleia será marcada definitivamente, assim que acabarmos de compilar a documentação financeira.

Triatlo

Relativamente ao Triatlo e à nossa equipa que foi Campeã Nacional, estamos a ultimar esforços para, numa óptica de gestão de recursos, manter as nossas cores.

Hóquei em campo

A Direcção do Atlético Clube de Portugal ponderou e assumiu que, face à situação financeira que o Clube atravessa presentemente, e aos custos inerentes que as várias equipas de Hóquei acarretam, não podia assumir a responsabilidade financeira total, para que a modalidade continuasse a ser gerida nos moldes vigentes. Assim, e após reuniões efectuadas com o Sr Luís Sequeira, este assumiu essa autonomia, em conjunto com o Director do Jornal “O Comércio de Alcântara” Sr. Luís Howell. Reforçamos, que nunca existiu outra promessa desta direcção, que não fosse a cedência de viaturas do clube, para deslocações em jogos fora, e que sempre que as mesmas foram pedidas, estas foram disponibilizadas. Esclarecemos também, que a única verba que deu entrada para a secção, nomeadamente, para a equipa feminina, foi de 3000€ (Subsídio arranjado pelo Dr. Sérgio Abrantes Mendes) e que neste momento está a ser alvo de acerto de contas, devido ao surgimento de facturas inesperadas de entidades como IPDJ, Junta de freguesia da Estrela ou Federação Portuguesa de Hóquei entre outras, que não foram saldadas anteriormente, e que estão a aparecer na secretaria do clube continuamente, ou seja, o Atlético está a pagar facturas da secção, até atingir o limite do montante subsidiado.

Bingo

Relativamente ao Bingo, estamos neste momento a estudar uma proposta de concessão que nos foi apresentada por uma empresa Espanhola, empresa esta que já adquiriu, ou que está a adquirir quase todos as explorações dos bingos a nível nacional. Consideramos que é uma opção de gestão. Todavia, estamos completamente abertos a falar e apresentar os moldes do negócio aos associados, com a certeza de defender sempre os melhores interesses do Clube.

Publicidade

Foram contactadas várias grandes empresas que podem estar interessadas em ter publicidade estática no nosso complexo desportivo. Estamos em negociações com três marcas. Paralelamente, realizámos reuniões na  C.M.Lisboa com vista a rentabilizar ao máximo os espaços comerciais dentro do nosso estádio. Não é um dossier fácil, visto estarmos a negociar um pacote de três outdoors de grandes dimensões, os únicos com projeção e retorno financeiro.

Insolvência SAD

Este processo é de alguma demora e de alguma contenção, por isso alguma prudência na abordagem deste tema. Já foram tomadas medidas e outras não passaram de processos de intenção, em virtude de alguns obstáculos que não se previam. Não podemos adiantar muito mais, pois nestes casos, o revelar publicamente medidas que foram ou estão a ser equacionadas, é dar trunfos ao opositor. Os sócios devem saber que de todas as reuniões efectuadas, intransigência foi o resultado final, além do completo desrespeito pela instituição Atlético Clube de Portugal por parte da Anping. Assim sendo, iremos lutar em tribunal para restituir a credibilidade danificada, não por esta Direcção, mas sim por todo um passado, em que o futuro do clube não foi devidamente acautelado.

Auditoria

Por constrangimentos financeiros, não pudemos executar essa auditoria. Ao invés, optámos por fazer um levantamento rigoroso, exaustivo das finanças do clube e daí estarmos a demorar um pouco mais na apresentação das contas. É do conhecimento de todos os associados e simpatizantes do Clube a “Herança Recebida” e o caos com que se encontravam as finanças do Clube à nossa chegada.

Condições de continuidade

Sentimos que temos as condições necessárias para continuar este projecto, quando tal não vier a acontecer, os sócios serão os primeiros a saber, não nos queremos perpetuar no poder nem sequer esconder, que fomos herdeiros de uma pesada herança. Somos humildes o bastante, para saber que nem sempre estivemos bem, no entanto, temos a noção bem vincada que estamos a dar o nosso melhor em prol do clube. Não criámos  situações menos claras, o que nos permite andar com a cabeça levantada perante qualquer sócio. Actuámos em circunstâncias que não eram de todo favoráveis, mas não virámos as costas à luta para gerir o nosso clube no dia a dia. Lembramos que decorreram apenas oito meses, e não oito anos, como tal o que pedimos, é que nos avaliem de forma construtiva e leal.

A direcção do Atlético Clube de Portugal